quinta-feira, 11 de março de 2010

Serena...


Serena


Essa ternura grave
que me ensina a sofrer
em silêncio,
na suavidade do entardecer,
menos que pluma de ave
pesa sobre meu ser.
E só assim,
na levitação da
hora alta e fria,
porque a noite me leve,
sorvo, pura, a alegria,
que outrora,
por mais breve,
de emoção me feria.


Autor Henriqueta Lisboa
Foto da net
.

4 comentários:

Helga disse...

É sempre tão bom vir aqui. A serenidade é uma constante neste espaço. Parabéns!

Bjs :)

Alda disse...

Também é sempre prazer a tua visita!
beijinho :)

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá Alda, belo texto...Espectacular....
Beijos

Alda disse...

Olá Fernando, agradeço a simpatia!
Bjs