segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Súplica...



Poema

Olha pra mim, amor, olha pra mim;
Meus olhos andam doidos por te olhar!
Cega-me com o brilho de teus olhos
Que cega ando eu há muito por te amar.

O meu colo é arninho imaculado
Duma brancura casta que entontece;
Tua linda cabeça loira e bela
Deita em meu colo, deita e adormece!

Tenho um manto real de negras trevas
Feito de fios brilhantes d’astros belos
Pisa o manto real de negras trevas
Faz alcatifa, oh faz, de meus cabelos!

Os meus braços são brancos como o linho
Quando os cerro de leve, docemente…
Oh! Deixa-me prender-te e enlear-te
Nessa cadeia assim eternamente! …

Vem para mim,amor…Ai não desprezes
A minha adoração de escrava louca!
Só te peço que deixes exalar
Meu último suspiro na tua boca!…

Florbela Espanca

3 comentários:

mundo azul disse...

Florbela Espanca...Maravilhosa poetisa!!!

Obrigada por trazê-la!

Beijos de luz e o meu carinho... Obrigada pela visita tão gentil!

Alda disse...

Obrigado também pela sua gentileza!

Gosto muito de Forbela Espanca!

Publicarei mais poemas dela. Volte sempre.

Beijinhos

Renato Oliveira disse...

Olá Alda

Parabéns pelo poema que inseriu neste seu cantinho.

Abraço

Renato Oliveira