segunda-feira, 17 de maio de 2010

As sem-razões do amor...



Eu te amo porque te amo,
Não precisas ser amante,
e nem sempre sabes sê-lo.
Eu te amo porque te amo.
Amor é estado de graça
e com amor não se paga.

Amor é dado de graça,
é semeado no vento,
na cachoeira, no eclipse.
Amor foge a dicionários
e a regulamentos vários.

Eu te amo porque não amo
bastante ou demais a mim.
Porque amor não se troca,
não se conjuga nem se ama.
Porque amor é amor a nada,
feliz e forte em si mesmo.

Amor é primo da morte,
e da morte vencedor,
por mais que o matem (e matam)
a cada instante de amor.

Carlos Drummond de Andrade
Foto da net

11 comentários:

Lídia Borges disse...

É uma delícia este poema de Carlos Drummond de Andrade.
O amor sem razões e sem explicações.
Ele próprio como é...

Lindo!

Alda disse...

Olá Lídia, também gosto muito deste poema!
Bjs

Sara disse...

Que bonita la imagen y el poema....todo sea en post del amor mi estimada Alda.
abrazotes

Alda disse...

Obrigado Sara!
Também gosto muito da foto, e do poema!
beijinhos

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá Alda, bela imagem...belo poema...Espectacular....
Beijos

Alda disse...

Olá Fernando obrigada!
Bjs

maybe disse...

I'm appreciate your writing skill.Please keep on working hard.^^

Rita disse...

Lindo!

bjs*

Alda disse...

Obrigado Rita!
bjs

Helga disse...

O amor não se explica - sente-se! e se alguém o conseguir explicar, é porque não entende o seu significado. carlos drummond de Andrade explicou-o bem... mesmo sem saber o que ele significa. Muito bonito!

Beijinho :)

Alda disse...

Concordo contigo Helga!
beijinhos