quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Quando dói o coração...



Quando dói o coração, todo o corpo dói.

Por que permitimos que as pessoas entrem assim

tão dentro da gente a ponto de saírem

carregando um pedaço de nós quando partem?

Por que nos damos tanto, nos entregamos tanto,

nos deixamos tanto em mãos não tão cuidadosas

dos nossos sentimentos?

Deveríamos aprender a ficar na margem,

olhando de longe a paisagem calma

e nos satisfazer dessa visão,

como quem se fascina com uma miragem.

Mas não nos satisfaz olhar.

Humanos que somos, precisamos absolutamente sentir,

ao risco de nos afogar...

e mergulhamos inteiramente.

E, vida afora, vamos mergulhando

em promessas de amor eterno,

felicidade infinita e mar de rosas.

Não nos questionamos sobre probabilidades de perdas

e decepções,

pois só de pensar já é doloroso.

Dói... dói... dói e dói!...

Mas isso não vai nos impedir de continuar,

não vai nos impedir de viver.

Pedaços de nós são ainda partes de nós

e ninguém disse que precisamos chegar à velhice inteiros

e sem marcas.

Isso é vida!!!

Não desistir, manter-se de pé, doendo, mas de pé,

cabeça erguida na direção do desconhecido

e peito cheio de esperança

que a próxima vez será diferente.

Grandes artistas obtiveram o melhor das suas obras

nos grandes momentos de aflição e dor.

Faça o mesmo: Mostre o que de grande há em você

tirando partido das suas decepções!

Construa-se!

Tenha em mente que não é você

que não foi digno daquele amor,

mas aquele amor que não foi digno de você.

E se faz parte da vida caminhar entre flores e espinhos,

não se esquive do caminho.

Caminhe!

Amanhã talvez seja diferente. E talvez não.

Mas entre as subidas e descidas,

você vai ter sobrevivido.

E vai ter, sobretudo, vivido.

Letícia Thompson

5 comentários:

Maria de Lourdes disse...

Olá Alda
É um tema lindo .
Beijinhos

Sonia Schmorantz disse...

É sempre a esperança a eterna companheira do amor, é aquela que nos faz esquecer antigas dores para começar tudo de novo...
beijos

EDUARDO POISL disse...

É lindo este poema, parabéns
Abraços

Aléxia Monteiro disse...

Muito lindo.
Estou a seguir seu blog
muito poético.
Passarei sempre

abraços.

;)

Silvana Nunes .'. disse...

Salve !
Navegando pela grande rede sem rumo com a intenção de divulgar o meu blog cheguei até você e gostei do que vi. No momento estou impedida de fazer leituras muito extensas, pois a claridade da telinha está prejudicando um pouco a minha visão, devo tomar um pouco mais de cuidado, mas em breve resolverei esse problema. Bem, já que estou aqui aproveito para convidar a conhecer
FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER... em
http://www.silnunesprof.blogspot.com
Eu como professora e pesquisadora acredito num mundo melhor através do exercício da leitura, da reflexão e enquanto eu existir, vou lutar para que os meus ideiais não se percam. Pois o maior bem que podemos deixar para os nossos filhos é o afeto e uma boa educação. Isso faz com que ela acredite na própria capacidade, seja feliz e tenha um preparo melhor para lidar com as dificuldades da vida. Com amor, toda criança será confiante e segura como um rei, não se violentará para agradar os outros e será afinada com o próprio eixo. E se transformará num adulto bem resolvido, porque a lembrança da infância terá deixado nela a dimensão da importância que ela tem.
VAMOS TODOS JUNTOS PELA EDUCAÇÃO, NA LUTA POR UM MUNDO MELHOR !
Se achar a minha proposta coerente, siga-me nessa luta por um mundo melhor. Peço que ao responder deixar sempre o link do blog, pois vez por outra o comentário entra com o link desabilitado ou como anônimo. Por causa disso fico sem ter como responder as pessoas.Os meus comentários também entram via e-mail, pois nem sempre a minha conexão me permite abrir as páginas: moro dentro de um pedacinho da Mata Atlântica, creio que mais alto que as antenas, com isso a minha dificuldade de sinal do 3G. Espero queentenda quando não puder visitá-lo.
Daqui onde estou, os únicos sons que escuto aqui é o dos pássaros, grilos, micos., caipora, saci pererê, a pisadeira, matintapereira ... e outras personagens que vivem pela mata.
Por hoje fico por aqui, já escrevi demais. Espero nos tornarmos bons amigos.
Que a PAZ e o BEM te acompanhem sempre.
Saudações Florestais !
Silvana Nunes.'.